Janot: um enredo melancólico num cenário assaz contaminado!

O procurador-geral da República Rodrigo Janot esforçou-se o quanto pôde para sair do cargo como um “justiceiro” ou um “herói” em meio a tantas falcatruas envolvendo figurões da República, inclusive, presidentes da República. Mas não teve competência para tanto e muito menos cacife ou habilidade. Em editorial que assina na revista ISTOÉ, o diretor de redação Carlos José Marques é enfático: “No bambuzal de Janot sobrou flecha para todo lado, inclusive na direção dele. A última, desferida pelo próprio, pareceu cena de suicídio. Levou ao sepultamento profissional, político, de imagem e reputação do referido arqueiro. Janot foi foi o algoz de Janot. Ninguém mais. Traçou um destino vexatório desde os primeiros movimentos. Açodado, meteu os pés pelas mãos”.

Rodrigo Janot avocou para si um papel heroico – pelo menos nas aparências – desde que foi preterido no seu desejo de recondução à Procuradoria-Geral pelo presidente Michel Temer, que preferiu confiar na doutora Raquel Dodge, que vai se investir na função a partir do dia 19. Uma vez preterido, Janot passou a operar como “o senhor das flechas”, disparando-as a esmo no imenso bambuzal que logrou edificar. Indaga Carlos José Marques: “Como pode um procurador disparar, por exemplo, uma operação controlada, de grampo presidencial, sem consentimento ou autorização da Corte Suprema? A PGR, sabe-se agora, esteve metida até a última haste da flecha endereçada a Temer, naquela que foi a mais rocambolesca e ruidosa gravação de diálogos de um mandatário do País”. A conduta foi anormal, revestida de traços de ilegalidade. E pode resultar na anulação de acordos que já estavam bem adiantados.

No dizer do editorialista da ISTOÉ, Janot enroscou-se na ideia fixa de entrar para a história mirando alvos da República com munição de origem duvidosa. Em busca de troféus e de uma aposentadoria gloriosa, não mediu ambições. Engendrou acordos espúrios com ladravazes da praça. Deu-lhes guarida e imunidade, na forma de benefícios extraordinários – imorais mesmo! Ignorou a fragilidade das provas e da armação que se erguia ao seu redor. Tombou atingido pelas suspeitas de colaboração do subordinado próximo. Só podia dar no que deu. O ministro Gilmar Mendes classificou Janot como a maior tragédia da história da Procuradoria. Criticou o que chamou de arranjos e mutretas do seu opositor. Mas era mais ou menos conhecida a saga dos equívocos e derrapagens do Procurador desde que ele alinhou-se à trupe do governo petista. De lá para cá, Janot errou em tudo”.

Nesta fase aguda da Lava-Jato, em que as evidências vão se tornando mais nítidas, mais solares, há os que estão sendo punidos porque se julgaram espertos demais e ignoraram a lição elementar de antigos políticos mineiros, segundo a qual, esperteza, quando é muita, come o dono. Temos o Janot, irremediavelmente flechado na sua imagem. Há o presidente Michel Temer, cada vez mais comprometido e atolado em denúncias de esquemas ilícitos que podem ser embrião, até mesmo, de um novo processo de impeachment. Há o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o “santinho de pau ôco”, que tem encontro marcado nesta quarta-feira, 13, com o juiz Sérgio Moro. Lula teve a situação complicada por artes de um antigo aliado – o ex-ministro Antonio Palocci, o “italianinho” de certas gravações que, afinal, deu as caras. E contou parte do que sabe. Enfim, há o chamado açougueiro de reputações Joesley Batista, que falou em dissolver o Congresso e em “pegar” o Executivo enquanto tripudiava das chances de ser preso.

O país está sendo apresentado ao submundo da política, onde ocorrem as transações e traficâncias inimagináveis e que não poupam siglas partidárias nem simbolismo de mandatos ou cargos exercidos. Esta República está inexoravelmente pôdre. Precisamos de uma novíssima. Sem vícios, espertezas ou maracutaias!

Por Nonato Guedes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *