Maílson critica proposta de duplo mandato para o Banco Central

Maílson critica proposta de duplo mandato para o Banco Central

O economista paraibano Maílson da Nóbrega afirma que já é bem menor a resistência à autonomia operacional do Banco Central, mas agora se defende o seu duplo mandato: uma meta para a inflação e outra para o emprego. “Trata-se de ideia inspirada no Federal Reserve, o banco central americano. É um equívoco”, escreve Maílson em seu artigo na revista “Veja”. O ex-ministro da Fazenda argumenta:

– Levamos quase meio século para aceitar a necessidade de um banco central e mais algumas décadas para admitir sua autonomia. Entre os anos 1920 e 1960, as funções de um banco central – redesconto, depósitos compulsórios dos bancos, fiscalização bancária, entre outros, eram exercidas pelo Banco do Brasil. Ao redescontar nele mesmo os seus empréstimos, o BB criava moeda e gerava inflação. Também fiscalizava seus concorrentes e, assim, tinha acesso à sua contabilidade e às suas operações. O BB, todo poderoso, mobilizava forças contra a criação do Banco Central.

Maílson historia que em 1945 optou-se por um passo intermediário, o da Superintendência da Moeda e do Crédito (Sumoc), cuja missão era preparar a criação do Banco Central. Na América Latina, o Brasil foi um dos últimos países a ter um banco central. À nossa frente estiveram a Colômbia, o Chile, a Bolívia e a Argentina. Em 1963, no contexto das chamadas “reformas de base”, o governo João Goulart propôs a medida ao Congresso. O regime militar negociou alterações no projeto, do que resultou a Lei 4595, de 31 de dezembro de 1964. O Banco Central nasceria no dia primeiro de abril de 1965 com mandatos fixos para seus diretores, não coincidentes com o do presidente da República, norma necessária para garantir sua autonomia.

O ex-ministro ressalta que a regra não sobreviveu à mudança de governo em 1967 e foi revogada em 1974. Os diretores são demissíveis a critério do governo. Mesmo que tenhamos evoluído nesses quase 54 anos, ainda há os que resistem usando teorias conspiratórias: sem conhecimento, dizem que o Banco Central trabalha em favor dos bancos e não da sociedade. Para Maílson, o êxito do Plano Real contribuiu para inovações institucionais no governo de Fernando Henrique Cardoso, incluindo o regime de metas para a inflação. “A autonomia do BC aconteceu na prática, mas há espaço para ser anulada por pressão política, como ocorreu na gestão de Dilma Rousseff”.

A respeito do duplo mandato do Fed, previsto em lei, documentos oficiais dizem que o nível de emprego é em grande parte determinado por fatores não monetários, que mudam ao longo do tempo, e pela dinâmica do mercado de trabalho. “Há uma meta para a inflação anual (2%), mas não para a taxa de desemprego, que é apenas estimada – hoje entre 4% e 4,6%). O Fed busca mitigar riscos tanto para a inflação quanto para a estimativa do desemprego no país. Quem defende o duplo mandato interpreta mal essa realidade e não percebe que o BC já adota a mesma linha do Fed, a do balanço de riscos. A taxa de juros é ajustada de acordo com os riscos para a inflação ou para o desemprego. O projeto de lei sobre a autonomia formal do BC está sob apreciação do Congresso. Seria triste se esse grande avanço viesse atrelado ao duplo mandato. Pode resultar em mais inflação e mais desemprego”, finaliza.

Nonato Guedes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *