Ricardo protesta contra “calúnias e inverdades” e alerta opinião pública

Ricardo protesta contra “calúnias e inverdades” e alerta opinião pública

O ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, presidente da Fundação “João Mangabeira”, do PSB nacional, protestou em rede social contra o que chamou de “calúnias e inverdades” assacadas contra ele por adversários políticos e alertou a opinião púbica para não se deixar induzir por “fake News” (notícias falsas) que estariam sendo disseminadas em redes sociais. A manifestação do socialista foi em resposta a um vídeo publicizado pelo deputado estadual Walber Virgolino, que faz oposição ao governo João Azevedo. No vídeo, Ricardo aparece sendo transportado, em companhia de secretários, para o hangar do Estado no aeroporto Castro Pinto, o que levou o deputado Walber Virgolino a insinuar que ele continua desfrutando de regalias como se estivesse à frente do governo. O deputado trata Ricardo como “rei”.

Coutinho disse que esteve com os secretários porque eles precisavam assinar mais de uma centena de papéis para liberar pleitos e demandas do Orçamento Democrático do Estado que se concretizarão durante plenárias neste final de semana em cidades do Sertão como Sousa e Cajazeiras. O ex-governador não identificou nenhum abuso de poder de sua parte, lembrou que as demandas acarretarão benefícios para as populações do interior e advertiu que estará presente em qualquer espaço onde “se trabalhe em favor dos legítimos interesses da Paraíba”. Ricardo queixou-se que desde sua saída do governo, em final de dezembro, quando transmitiu o cargo a João Azevêdo, tem sido alvo de assédio moral e de provocações intimidatórias, por parte de indivíduos e grupos comprometidos, segundo ele, com expedientes antiéticos na lide política.

Ele qualificou de “escalada inescrupulosa” a disseminação de “fake News” nas redes sociais e alertou que a rede social, da mesma forma como possibilita debate virtuoso de questões de interesse público, pode ser utilizado como instrumento criminoso de manipulação da opinião pública, mediante o uso impune de inverdades, de meias-verdades e de truncagens com o objetivo declarado de tentar abalar ou destruir reputações de homens públicos. Salientou que o território digital pode se prestar a funcionar como “caixa de imbecilidades e de tudo o mais que pode existir de pior na sociedade, ocultando e dissimulando interesses típicos dos “malandros, bandidos e  covardes”. Ricardo Coutinho frisou que repudia energicamente esse tipo de comportamento e não esconde sua indignação com práticas dessa natureza, prevenindo os segmentos da opinião pública para não se deixarem influenciar por impropriedades e versões levianas divulgadas através das redes sociais.

Nonato Guedes

 

2 Comentários

  1. rfm disse:

    Coutinho pensa que todo mundo é imbecil. Desgraçado mentiroso ,bandido,cafajeste.

  2. Antonio disse:

    A diferença entre a imprensa livre e a com cabresto é que a presa financeiramente só mostra o lado que paga como verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *