Ruy: “É preciso dimensionar o tamanho de Ricardo no cenário”

O presidente do diretório estadual do PSDB, ex-deputado federal Ruy Carneiro, sugere cautela na avaliação de critérios dos partidos de oposição para lançar candidaturas à sucessão do governador Ricardo Coutinho (PSB) no próximo ano. Ele adverte que a cautela decorre das mudanças ocorridas no panorama político paraibano. Citou como exemplo que em eleições passadas o governador Ricardo Coutinho tinha um “grande tamanho”, do ponto de vista do potencial político-eleitoral. “Falta mensurar como vai ser na eleição que está próxima, devido às mutações verificadas na conjuntura estadual”, acentuou o dirigente tucano.

Pessoalmente, Carneiro preconiza que o foco imediato seja na discussão da manutenção ou não da aliança oposicionista formada pelo PSDB, PSD, PMDB e PP. Reconhece que há nomes fortes para a disputa que estão colocados em discussão informalmente, como o do prefeito reeleito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), do prefeito reeleito de Campina Grande, Romero Rodrigues, do senador José Maranhão e do deputado federal tucano Pedro Cunha Lima. O senador Cássio, que por algum tempo foi mencionado como alternativa ao governo em 2018, deverá mesmo disputar a reeleição ao Senado ou, em último caso, dependendo do acirramento da concorrência, partir para a disputa de um mandato de deputado federal.

Cássio já deixou claro que não faz qualquer restrição ao lançamento de uma candidatura do prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, ao governo do Estado. Romero, por sua vez, em entrevistas concedidas recentemente, pontuou que a prioridade no conjunto das opções recai em torno do nome do senador Cássio, pela sua trajetória no Estado e pelo prestígio no cenário nacional, onde é vice-presidente do Senado. “Mas o reconhecimento da opção Cássio não me impede de também apresentar meu nome no contexto das avaliações que se processarão ainda por certo tempo”, frisou o alcaide da Rainha da Borborema.

Uma observação de Ruy Carneiro – de que o peso do ex-presidente Lula na disputa de 2018 será menor devido ao desgaste acumulado que tem enfrentado, juntamente com o Partido dos Trabalhadores – foi rechaçada de bate-pronto pelo presidente estadual do PT, Jackson Macedo. “O desgaste do ex-presidente Lula já está absorvido em grande parte e não deve aumentar muito por causa da condenação. Temos a plena certeza de que o TRF manterá a inocência do ex-presidente e ele poderá disputar as eleições, o que vai colaborar para reforçar o projeto político do esquema de forças do governador Ricardo Coutinho”, adiantou. Jackson Macedo foi enfático ao dizer que o governador tem sido muito correto com relação ao PT e ao projeto nacional. “Ele tem história, ligação umbilical com as lutas sociais e não poderia ser diferente que ele tivesse um posicionamento de apoio e defesa dos nossos princípios. O PT tem Ricardo Coutinho como um parceiro”, finalizou Jackson Macedo.

Nonato Guedes

1 Comentário

  1. jose marcelo neto disse:

    nonato cassio ta enganando cartaxo.voces jornalistas ja conhece a historia dos cunhas lima.pensam so quem e os donos do voto sao eles,mas ja provaram do veneno,ronaldo briga do campestre terminou perdendo pra ze e cassio pra ricardo.o candidato em 2018 cassio vai dizer que e ele.embora que traia todo mundo.ver cozete barbosa em campina hoje vive no ostracismo pensando que cassio ia apoiar ela pra prefeita,botou foi romulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *